Residência artística em parceria com o Teatro Nacional D. Maria II

Os alunos do 2.º ciclo e a artista Tânia Dinis estão na fase final do projeto oficina artística “Nostalgia da Imagem” que envolve teatro e tecnologia no âmbito do Programa Frutos inserido na Odisseia Nacional do Teatro Nacional D. Maria II, numa parceria com o Plano Nacional das Artes (PNA). O Programa Frutos pretende promover ações pedagógicas dirigidas aos alunos, aproximando as gerações mais jovens das artes performativas e fomentando a sua participação cultural e o pensamento crítico.
A apresentação do trabalho produzido decorrerá durante a próxima semana em vários espaços da Escola André Soares.
Nesta residência artística, que decorreu durante o 3.º período, a artista Tânia Dinis trouxe a prática artística para o ambiente pedagógico do espaço escolar, emergindo um trabalho de pesquisa e de criação sobre a intimidade, a memória.
A atividade realizou-se através de um confronto com o arquivo fotográfico, com os álbuns de família, (álbuns antigos e os novos álbuns digitais ) com a teatralidade que se encontra na imagem fotográfica:  fotografia encenada, ensaiada, que desde o seu início deixa realçar como a performance já estava presente nesta linguagem, através do uso do enquadramento, cenários, interpretação, figurinos.


 

Mini Mapa Sonoro à descoberta de Braga – Parceria com a cidade japonesa de Sapporo


E se construísses um mapa digital com diversos sons da cidade de Braga? O Mini Mapa Sonoro propôs uma viagem à descoberta dos sons do património de Braga, em que se procurou identificar e gravar as referências sonoras dos alunos da turma 7.º A. Em seguida, as descobertas sonoras foram ilustradas e darão origem a um mapa visual e sonoro.
Desde 2018, este projeto tem viajado por várias escolas do concelho de Braga, tendo dado origem a mais de uma centena de mapas. Neste Mini Mapa Sonoro à descoberta de Braga, faremos uma parceria com Sapporo – a quinta maior cidade do Japão.


 

Alunos da André Soares e Enghien-les-Bains criam curta-metragem de memórias nas cidades

A apresentação de ‘Cartografias Imaginárias‘ decorreu no dia 27 de março, no arranque da Semana da Leitura em Braga na blackbox (gnration).

No âmbito da Temporada Cruzada Portugal-França 2022, os estudantes do 3.º ciclo da EB 2,3 André Soares de Braga e do Collège Lycée Notre-Dame Providence de Enghien-les-Bains, colaboraram numa serie sessões de grupo e de residências artísticas em cada uma das cidades envolvidas, com o objetivo de construir um objeto audiovisual.
A iniciativa, que juntou alunos das duas cidades da Rede de Cidades Criativas da UNESCO para as Media Arts, resultou numa curta-metragem intitulada ‘Cartografias Imaginárias’. De acordo com Joana Miranda, coordenadora geral da Braga Media Arts, o projeto “desafiou os alunos a colocarem por palavras as suas memórias e sentimentos”.
:: mais informação em rum.pt


 

Diários de Bordo (montagem e produção da animação)

Nesta fase do trabalho os alunos das turmas  do 3.º D, 3.º E e 4.º D da Ponte Pedrinha dedicam-se ao trabalho experimental de montagem que resultará  na animação com recurso às Media Arts.



Diários de Bordo é um projeto dedicado aos alunos do 1.º ciclo do ensino básico que parte de técnicas plásticas e digitais para estimular a criatividade e sensibilidades artísticas. Na juncão dos pontos em comum entre a fotografia, a criatividade e a tecnologia, os alunos têm a oportunidade de criar um filme de animação onde são representados sonhos saídos de uma máquina idealizada pelo coletivo.

O projeto está a ser implementado no espaço escola pelo artista plástico Carlo Giovani no âmbito do Projeto Cultural de Escola (PCE) centrado nas Media Arts em parceria com o Circuito – Serviço Educativo Braga Media Arts.


 

WE! Workshops de Experimentação: Vamos reutilizar velhos aparelhos eletrónicos?


As coisas no mundo mudam cada vez mais rápido. Novos aparelhos eletrónicos são inventados a toda a hora para tornar as nossas vidas mais fáceis e rápidas. Coisas cada vez mais pequenas e com mais funcionalidades dão a lugar a outras maiores. Pelo caminho, muitas invenções deixam de ser utilizadas e são arrumadas nas gavetas lá de casa — quem ainda se lembra de andar pelas ruas com um discman ou um walkman? Todas essas coisas já não fazem parte do nosso dia-a-dia, mas continuam a existir (nas nossas gavetas, é certo) e muitas vezes transformam-se em objetos-resíduos inconvenientes que sobrevivem em habitats naturais. E se conseguíssemos reutilizar essas máquinas do passado e dar-lhes uma nova vida?
Nesta oficina com os alunos das turmas 5.º D e 6.º F transformamos velhos aparelhos em objetos especiais que contam histórias através de sons calmos ou loucos e imprevisíveis!


 

Diários de Bordo



Diários de Bordo
é um projeto dedicado aos alunos do 1.º ciclo do ensino básico que parte de técnicas plásticas e digitais para estimular a criatividade e sensibilidades artísticas. Na juncão dos pontos em comum entre a fotografia, a criatividade e a tecnologia, os alunos têm a oportunidade de criar um filme de animação onde são representados sonhos saídos de uma máquina idealizada pelo coletivo.
Nesta etapa do projeto vemos as turmas 3.º D, 3.º E e 4.º D da Ponte Pedrinha numa fase intermédia do projeto em que o entusiasmo, a dedicação e o talento criativo terão um realce especial no produto final.

O projeto está a ser implementado no espaço escola pelo artista plástico Carlo Giovani no âmbito do Projeto Cultural de Escola (PCE) centrado nas Media Arts em parceria com o Circuito – Serviço Educativo Braga Media Arts.


 

Alunos do 9.º D participam no Soundcheck


UM, DOIS…SOM! enuncia um teste de som (SOUNDCHECK) e foi com esta proposta que a turma 9.º D do Agrupamento de Escolas André Soares trabalhou na preparação do som que o público iria ouvir.
Foram cinco sessões de trabalho em que se fez uma viagem pelo universo sonoro dos alunos/participantes, partilhando gostos e referências musicais no sentido de descobrir a sua escuta coletiva e o que têm para dizer ao microfone. Daqui resultou um dos temas musicais que se ouviram no Soundcheck durante a atuação na Blackbox do gnration na manhã do dia 18 de novembro.

Alunos do 9.º D no primeiro  ensaio no gnration

fonte : Circuito – Serviço Educativo Braga Media Arts / Teatro da Didascália


 

PoN! A ilha dos Tatus

O projeto PoN! A ilha dos Tatus (PoN é o acrónimo para “politics of nature”) parte da premissa de que os jovens europeus estão na vanguarda mundial pela ação climática, mas que, para travar o aquecimento global, será necessária uma transformação em escala massiva. Em PoN!, os jogadores são pacíficos Tatus que vivem numa ilha ameaçada por terríveis robôs que cortam árvores, poluem rios, mineram e queimam, destruindo a natureza. Perante tamanha devastação, o ecossistema da ilha fica cada vez mais instável, podendo entrar em colapso e desaparecer por completo. Um grupo de corajosos tatus decide enfrentar os robôs e proteger a ilha. E é aí que eles descobrem que os seus inimigos não são simples máquinas. São outros tatus, como eles, mas que estão presos em cascas robóticas, incapazes de pensar ou agir por si próprios. Os jogadores precisam, então, de trabalhar em equipa e libertar os seus amigos do domínio robótico, para que juntos, todos defendam a natureza e ajudem a restabelecer o equilíbrio da ilha.

É neste contexto que existe uma parceria entre o Projeto Cultural de Escola e o Instituto Cultural da Dinamarca no Brasil, de modo a incentivar uma interação construtiva em rpol do ambiente entre alunos do 9.º ano da Escola André Soares e alunos de um colégio no Paraná.
Os objetivos são comprometer e conectar a juventude, além das fronteiras sociais, pela causa do clima e da sustentabilidade; criar momentos de partilha e reflexão sobre a relação Homem versus Natureza; inferir da necessidade de reavaliarmos nossos atos, visando à preservação do meio ambiente no sentido de deixar uma morada digna às futuras gerações; repensar alguns hábitos para evitar o esgotamento dos recursos naturais.