Grupo desportivo de Cordas fascina EB1 do Carandá


No dia 18 de Janeiro, na EB1 do Carandá, 33 alunas do grupo desportivo de cordas apresentaram magníficas exibições com corda desportiva desde: freestyle com corda individual, SR2, SR3, SR4, corda chinesa e corda dupla.
Devido à situação climatérica (frio e chuva) e de o espaço interior ser pequeno para tantos alunos, as turmas foram divididas em dois grupos: 1.º e 2.º ano e 3.º e 4.º ano.
Os alunos ficaram fascinados com todas as apresentações realizadas com corda individual e cordas longas!
Estas atividades são sempre momentos de alegria e satisfação para todos os que praticam e assistem a estes momentos desportivos!
A socialização, o convívio entre todos e a partilha do trabalho apresentado foi um sucesso!


 

Seminário Eco-escolas em Soure

O AE André Soares está representado no seminário Eco-escolas 2023, desta vez em formato presencial. Durante três dias irão ser apresentado as novidades para este ano e os professores poderão frequentar workshops. A escola terá um destaque na entrega do 3.°  prémio internacional Lesson Plano Competion GAIA 2030, em que Portugal (EB2,3 André Soares) foi distinguida.


 

A música contribuiu para a preservação ambiental

A música é muito mais do que apenas um entretenimento. Além de ser uma forma de comunicação, ela também tem o poder de inspirar e preservar o meio ambiente. Muitos músicos e bandas, tanto a nível internacional como nacional, usam as suas músicas para levantar questões sobre sustentabilidade e promover ações ambientais.
A sustentabilidade é uma questão cada vez mais importante para muitos músicos e bandas. Alguns usam as suas letras para questionar o consumo excessivo e a exploração descontrolada de recursos, enquanto outros lideram ativismos e promovem ações sustentáveis. Segundo Eduardo Marinho, artista e filósofo de rua, absorver o mundo ao redor e criar palavras com significado e sentimento é algo reservado para mentes artísticas de todas as gerações.
:: ler o artigo completo


Uma ameaça invisível, o impacte sonoro nos animais

Um estudo da revista Biology letters alerta para a sensibilidade de diferentes espécies ao ruído resultante da atividade humana.
Um estudo publicado na Biology Letters, intitulado “The effects of anthropogenic noise on animals: a meta-analysis”, lançou o alerta que os animais são gravemente afetados pela poluição sonora e, para os autores, poderá mesmo pôr em causa a continuidade de algumas espécies tendo, consequentemente, graves impactes nos ecossistemas.
A poluição sonora aparenta ter inúmeras consequências e este estudo académico vem trazer conclusões alarmantes . Nos animais marinhos, os sons provocados pelo tráfego marítimo, pela exploração de petróleo, pelos sonares militares, entre outros, afetam a caça de animais que dependem dos sons e das vibrações para seguir a sua presa, afetam a comunicação e envolvem problemas de alimentação. Assim como nos animais terrestres, afeta também no acasalamento, comprometendo a continuidade das espécies. Um exemplo são as rãs, que usam o sentido auditivo e vocal para o acasalamento. 
:: ler o artigo completo


 

O desaparecimento dos insetos: uma catástrofe silenciosa

O desaparecimento dos insetos tem ocorrido a um ritmo acelerado. Estes seres desempenham funções muito importantes na natureza, mas “são pouco respeitados”. O desaparecimento dos insetos, causado, em grande parte, pela ação humana, é um problema que se tem vindo a acelerar ao longo das últimas décadas. Estudos alertam que se não houver mudanças, irão surgir consequências graves.
Há alguns anos, ao fazer uma longa viagem de carro, era normal, no final, ter o pára-brisas repleto de insetos esborrachados. Mas, e agora, o que se está a passar? Este é o chamado “Fenómeno Para-brisas” e é uma forma empírica de se constatar que existe uma diminuição dos números de insetos, algo que, segundo José Manuel Grosso Silva,  curador de entomologia do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto (MHNC-UP), “pode ter sérias consequências, já que os insetos desempenham um papel fundamental no equilíbrio dos ecossistemas terrestres”. 
:: ler o artigo completo


 

Picoto, a nova (velha) floresta de Braga

O parque urbano do Monte Picoto em Braga é um espaço importante para a comunidade Bracarense. Nos últimos anos tem sido alvo de esforços de reflorestação e regeneração. O objetivo é aumentar a biodiversidade da área e promover a conservação ambiental. Esses esforços têm conseguido trazer de volta espécies de plantas, árvores e animais que por natureza prosperam na floresta. O parque proporciona ainda um espaço agradável e seguro para as pessoas visitarem e apreciarem a natureza.
:: artigo completo