“Árvores bombeiras” e poluição luminosa

“Árvores bombeiras” para travar os grandes incêndios
Investigadores apontam, como solução para o combate aos incêndios de grandes proporções em Portugal, a plantação de espécies que não só resistem ao fogo como também contribuem para travar o avanço das chamas para reflorestar o território.
Em Espinhosela, no Nordeste Transmontano, Virgílio Augusto, com 83 anos, agricultor, enquanto prepara a apanha das castanhas, remata que “não tenho memória de incêndios nos soutos e carvalhais”, naquela localidade. Este tipo de árvores referidas pelo agricultor são também chamadas “árvores bombeiras” e estão a ser apontadas, pelo investigador, Paulo Fernandes do Centro de Investigação e de Tecnologias Agroambientais e Biológicas da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) como uma contribuição importante no combate aos incêndios por se tratarem de espécies de árvores que resistem e travam incêndios.
:: ler o artigo completo

A falta de informação sobre poluição luminosa põe em causa a saúde pública

A descarbonização da economia e a transição energética visando a neutralidade carbónica em 2050, levam os municípios em Portugal a substituir as luminárias tradicionais por iluminação LED, o que pode estar a afetar a saúde pública bem como níveis de poluição luminosa sem precedentes.
Para Ricardo Silva, presidente da Junta de Freguesia de São Vítor em Braga, “a necessidade de melhor eficácia energética implicou a colocação da luminária pública e a substituição de luminárias tradicionais por iluminação LED na cidade de Braga”, e desta forma uma economia nos gastos do erário público, através da diminuição da fatura energética. Esta reorganização da iluminação LED devido à sua maior eficiência energética quando comparadas com outras luzes, está a levar ao aumento do seu consumo e massificação em grandes zonas urbanas e rurais. Esta tecnologia permite uma redução que pode ir dos 60%-70% nos consumos da iluminação pública, mas segundo o estudo The Risk of Light Pollution on Sustainability, provoca um aumento dos níveis de poluição luminosa, assim como poderá estar também a afetar a saúde pública devendo ser equiparado à poluição ar e da água. Contudo Ricardo Silva, presidente da freguesia mais densamente povoada do Minho, admite que, para os seus eleitores, “as ruas iluminadas estejam ligadas a ruas mais seguras” e que “não existe muita sensibilidade para a temática da poluição luminosa” na população que o autarca representa”, embora reconheça que “não existe muita sensibilidade para a temática da poluição luminosa” na população que o autarca representa.
:: ler o artigo completo



EB1 Carandá adere ao Daily Mile com motivação e sorrisos

A escola EB1 do Carandá, no dia 13 de janeiro ,aderiu ao Daily Mile, com grande motivação e muitos sorrisos!
Todas as turmas, do 1.º ao 4.º ano, em turnos diferentes, aproveitaram a bela manhã de sol e correram no exterior da escola durante 15 minutos (1,6 Km, uma milha).
A atleta  Albertina Machado e a Professora Anabela Bastos, como já é habitual, acompanharam a corrida dando ainda mais entusiasmo aos alunos.
No final, foi lançado a todos os alunos o desafio de continuarem, semanalmente, a correr com o objetivo de  melhorar a condição física, social, mental e o seu bem-estar geral. Ao longo do tempo, ao associarem-se ao Daily Mile, serão melhores alunos, mais felizes e mais saudáveis!


 

XL Olimpíadas Portuguesas de Matemática

O grupo de Matemática felicita os alunos Vicente Santiago do 7.º C e Letícia Gonçalves do 9.º B por terem sido apurados para a 2.ª eliminatória das XL Olimpíadas Portuguesas de Matemática nas categorias Júnior e A, respetivamente. 
A 2.ª eliminatória realizou-se no dia 12 de janeiro de 2022 na Escola André Soares.

Parabéns a todos os alunos participantes!


 

Canguru Matemático sem Fronteiras 2021

No período passado realizou-se na nossa escola o Canguru Matemático sem Fronteiras 2021, categorias Benjamim (alunos dos 7.º e 8.º anos) e Cadete (alunos do 9.º ano).
O grupo de Matemática dá os sinceros parabéns a todos os alunos participantes, pelo seu empenho e classificações, em particular aos primeiros posicionados.
Categoria Benjamim
1.ª posição: Guilherme Barbosa Moucho, 8.º C
2.ª posição: Vicente Edra Santiago, 7.º C
3.ª posição: José Diogo Pinto, 7.º B
3.ª posição: Rui Miguel Azevedo, 8.º F

Categoria Cadete
1.ª posição: Margarida Pinto, 9.º B
2.ª posição: Daniela Barroso, 9.º G
3.ª posição: Miguel Barros, 9.º G


 

Coberturas verdes e “Central Park” em Braga

Coberturas verdes, uma resposta para cidades cada vez mais quentes

Isabel Aguiar Pinto Mina, investigadora da STOL – Science Through Our Lives e do Departamento de Biologia da Universidade do Minho (DB-ECUM), revela que as coberturas verdes em edifícios são apontados como parte da estratégica ambiental no combate aos efeitos do aquecimento global, proteção de biomas em meios urbanos e forma de mitigar os efeitos das previsíveis ondas de calor em meios urbanos, em que as grandes urbes são apontadas como os locais mais fustigados por ondas de calor cada vez mais frequentes e intensas.
:: ler o artigo completo 

O puzzle ambiental “Central Park” nasce em Braga

A Câmara Municipal de Braga está a implementar um projeto que visa unir vários parques da cidade e criar uma cintura verde envolvente, para que a população possa beneficiar de uma área verde saudável e melhorar a qualidade do ar.
O “Central Park” de Braga é um “puzzle de áreas verdes”, que pretende unir os vários parques verdes da cidade de Braga. Neste parque estarão integrados o Parque da Ponte, o Monte do Picoto, o rio Este, a zona do Altice Fórum Braga, a área verde do estádio 1.º de Maio, o parque de campismo e a piscina municipal Braga.
:: ler o artigo completo 


 

Basquetebol com novo equipamento

O Desporto Escolar ganha novo equipamento para o grupo/equipa de Basquetebol.
As  competições terão outro entusiasmo e motivação extra com este belo equipamento! 
Agradecemos a Ana Garelha e Flosel pela colaboração e apoio!


Tomada de Posse da Associação de Estudantes

No passado dia 17 de dezembro tomou posse, no auditório Braga Simões, a Associação de Estudantes da Escola Básica André Soares (EBAS) perante a Diretora do AEAS, a Assembleia de Delegados e Subdelegados de Turma, , a Representante da Associação de Pais e EE da EBAS, Professores(as) e Assistentes Operacionais.
Os membros da Associação de Estudantes prometeram cumprir as suas funções, no âmbito dos respetivos cargos, durante o presente ano letivo – 2021/2022.
No final, a Presidente da Associação de Estudantes proferiu um discurso onde agradeceu a presença de todos, o apoio e confiança depositados nesta equipa e prometeu dar voz ativa aos colegas para que possam participar na construção de uma escola melhor.
Ana Paula Saraiva  (Prof.ª Mentora da AE)

Discurso da Presidente da Associação de Estudantes da EBAS
“Bom dia a todos!
Antes de mais, muito obrigada por se juntarem a nós nesta cerimónia de Tomada de Posse.
O meu nome é Madalena, sou a nova Presidente da Associação de Estudantes e é com orgulho que assumo este cargo.
Queria começar por agradecer a todos a confiança depositada em nós. Somos uma equipa determinada e motivada a fazer mais e melhor pela comunidade escolar André Soares. Sabemos que é uma grande responsabilidade, mas acreditamos que estamos à altura deste enorme desafio.
A escola é a nossa segunda casa, onde passamos uma grande parte do nosso tempo, sendo importante para nós que todos se sintam bem nela. Sabemos que não é perfeita e que existem vários pontos que podem ser melhorados, por isso é essencial dar voz aos alunos para que juntos possamos torná-la melhor.
Nós vamos fazer a diferença! A união é a chave para que isso se torne possível! Juntos somos mais fortes!
Obrigada!”
Maria Madalena Alves (Presidente da AE da EBAS) 


 

2022, esperança e transformação!

É preciso ter esperança, mas ter esperança do verbo esperançar; porque tem gente que tem esperança do verbo esperar. E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera. Esperançar é se levantar, esperançar é ir atrás, esperançar é construir, esperançar é não desistir! Esperançar é levar adiante, esperançar é juntar-se com outros para fazer de outro modo…
Paulo Freire
Encerramos 2021 com o gosto amargo de que o mundo atravessou uma das piores caminhadas das nossas vidas pessoais e coletivas. A história registará para sempre em livros, artigos, vídeos e ensaios a experiência transformadora vivida pela humanidade em todo o planeta.
Com a chegada de 2022, chegam 12 capítulos em branco com 365 páginas para começarmos a escrever novas histórias. Este será o livro da esperança, de uma visão mais otimista do futuro. Acreditamos que as circunstâncias podem promover o repensar da mudança.

:: ler o artigo completo

:: Página com as crónicas da Dra. Maria Graça Moura